terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

ANJOS DO 5º SUL

Desde que estava no hospital quero escrever sobre um assunto em especial, sobre as pessoas que me cuidaram durante a internação.

Quero contar um pouco sobre os profissionais do TMO - 5º Andar Sul do HCPA, pessoas muito especiais e que acho que a melhor definição são ANJOS.

Me refiro o todo pessoal: médicos, enfermeiras, técnicas (os) em enfermagem, pessoal da copa, da limpeza. 

Não sei como são os profissionais de outros hospitais e unidades, mas posso falar com propriedade dessEs que conheci na internação, com certeza essas pessoas são escolhidas a dedo.

Então, contarei algumas coisas que aconteceram, falarei um pouco de como são para que possam ADMIRÁ-LOS tanto quanto eu.

Lembro de tantas coisas e vocês não imaginam como está difícil começar, as palavras me faltam. Não sei  se começo definindo as pessoas, se contando fatos, bom vou tentar... rsrrsrsrs

Desde o primeiro dia, fui reconhecendo alguns rostos, afinal quando fiz o Transplante Autólogo fiquei no mesmo local e algumas pessoas também me conheciam, as enfermeiras principalmente, já as (os) técnicas (os) a maioria conheci agora (pois são diferentes os que cuidam do autólogo e do alogênio), vi nos corredores e até mesmo no quarto os que me cuidaram da outra vez, que me reconheceram, mas dessa vez não cuidaram de mim, mas quero ressaltar que o cuidado deles é como os quais relatarei aqui e que nunca  os esquecerei.

Ao reconhecimento começava a conversa, a atenção, as enfermeiras sempre atentas a tudo que estava acontecendo, examinando, perguntando, explicando, verificando se teve qualquer alteração, eram 3 trocas de turno e sempre elas iam conversar comigo para dar um oi, dizer que aquele era o dia dela, ver como estava e que qualquer coisas era só chamar. No primeiro dia as orientações sobre como funciona tudo por ali. Algumas vezes conversávamos outros assuntos, riamos, brincávamos, chorei, desabafei, contei história, emocionei. Algumas são mais diretas, outras conversam mais, mas são todas sempre atenciosas. Soube da enfermeira que vai casar, vi fotos lindas dela, contei do meu blog, dei o endereço dele, conheci um blog de arte de uma das enfermeiras, incluindo coisas feitas por ela (que por sinal adorei e sigo), tem aquela(s) que ama(m) filmes, a que fala alto, a que fala manso, revi aquela pra quem fiz um xale na outra internação e que quando soube que eu estava lá foi ao quarto apenas para me dar um oi e saber como estava, afinal naquele dia ela não estava comigo, uma pessoa que admiro desde a outra vez, em uma noite ficamos conversando assuntos diversos, sobre a doença também, sobre a minha vida, sobre a minha mãe, foi uma conversa emocionante, outras conversaram comigo sobre a possibilidade de eu avisar e me liberar alguma visita para que eu não me sentisse sozinha, claro que dentro dos cuidados do andar. Todos os dias após o meu banho a troca de curativos, sempre cuidando pra não machucar a pele ao tirar a fita, cuidando um jeito de colocar em lugar onde machucasse menos, arrumando os extensores dos remédios e soro para ficar da melhor forma após o banho (procedimento muitas vezes feito pelas(os) técnicas(as)). No dia em que eu relatei que estava um pouco triste, que chorei (devem lembrar, fiz um post sobre) falei com uma das enfermeiras como estava me sentindo e ela foi super atenciosa, e naquele dia ao entrarem no quarto, todos procuraram saber como eu estava, entendendo e reforçando que embora eu estivesse sempre animada era mais que normal aquele sentimento, e brincando comigo dizendo que sempre comentavam na unidade que eu era a paciente mais animada, mais pra cima, enfim me ajudando nesse momento.

E a atenção das técnicas e dos técnicos não tem igual, cada um com seu jeito, umas mais elétricas, outras a calma em pessoa, mais brincalhonas, mais cuidadosa. Sempre prontas a qualquer chamado. Mostram que o que você precisar fazer, que às vezes para mim parece até abuso, elas estão ali pra ajudar. Eu não precisei, mas se precisasse de ajuda no banho estavam prontas para ajudar, todos os dias traziam minha muda de roupa, trocavam a minha cama dia sim dia não, se necessário, trocava todo dia, antes do banho proteger o curativo, trazer remédios, verificar sinais, nesses momentos conversávamos, brincávamos, contávamos coisas, recebi dicas de sites de baixar filmes, torcemos pro inter, tinha aquele que estava acostumado a cuidar das crianças, pois trabalha em outro andar, que ria, que brincava, que era atencioso, aquela que eu via e minha temperatura começava a subir (assim brincava com ela, pois os picos de temperatura davam sempre em seu turno) e ela cuidadosamente ia diversas vezes no quarto para cuidar a temperatura, aquelas que no dia em que fiquei com alterações na pressão e batimentos cardíacos ficaram ao meu lado o tempo tempo, não fiquei sozinha, intercalavam entre elas, pois também tinham outros pacientes, mas davam um jeito de se organizar e ter uma sempre comigo, pronta a me alcançar a cuba pra vomitar, pra me mostrar que apesar dos cuidados estava tudo sobre controle, me acalmando, colocando a cumadre pra eu fazer "xixi", me limpando pois não conseguiria, me dizendo que o que estava acontecendo comigo era normal, que não era só comigo que acontecia, conversando outras coisas pra me distrair, não só nesse momento como em outros contando dos filhos, netos, família, descobri que tem gente daqui de Gravataí. Enfim, cada detalhe, cada coisinha mínima que faz tanta diferença. Como esquecer do dia que decidi cortar meu cabelo e mais que prontamente, sendo sincera, dizendo que não sabia, mas que se eu queria cortava pra mim, e assim foi.

As meninas da copa e limpeza sempre entrando no quarto bem humoradas, dando bom dia, boa tarde, boa noite, alterando alguma coisinha na comida se possível, sempre perguntando educadamente se poderiam levar a comida ou se queria ficar mais um tempo pra tentar comer mais, trocavam a água , chá, copo várias vezes ao dia. Eu percebia no olhar que se importavam quando viam que eu comia pouco.

Tem a nutricionista que ia de segunda a sexta sempre perguntar como estava a alimentação, verificar se estava comendo melhor, que dava alternativas, que via o que alterar, o que poderia ser substituído, o que poderia ser incluído, o que manter, enfim sempre procurando o melhor.

A psicóloga uma vez por semana, sempre conversas agradáveis, leves, nunca me enchendo de perguntas, as conversas simplesmente fluíam naturalmente.

E pessoal da estômato que ia fazer o laser na minha boca para prevenir qualquer coisa, com alguns conversei mais, soube sobre os estudos de um sobre sua namorada que é minha xará, conheci um peruano que queria saber onde ir no carnaval e que me contou como é Machu Picchu no Peru (com suas descrições fiquei com vontade de sair do hospital direto pra lá... rsrsrsr), aquela que me perguntava o que eu sentia  e como estava com o laser na boca (rsrsrsr).

Claro, não posso esquecer dos médicos que iam diariamente me ver, saber como estava me sentindo, ver se aconteceu alguma alteração, me examinar e me dizer como estavam os exames, me explicar que as coisas estavam indo bem, rápidas, dentro do esperado, me dizendo que certo momento era o momento que tudo caia mesmo, que parecia que eu tinha sido atropelada. Perguntando sobre como estava meu irmão. Me dando uma ótima notícia de previsão de alta, cuidando pra que eu saísse com tudo certinho, todos remédios. Me dando confiança dia a dia no tratamento, sempre com muita atenção.


Acredito que não falei aqui da metade das coisas que fizeram por mim. Espero não ter esquecido de ninguém.

Trago na memória cada rosto, cada olhar, cada palavra, cada pequeno gesto e pra mim não tem como não comparar essas pessoas a ANJOS que marcaram minha VIDA.


Beijos

Um dia de cada vez

Estava com saudades de escrever por aqui. Estava sem roteador, agora tudo normal.

Estou em casa desde quinta-feira (23/02), cheguei um pouco depois das 18h em casa, foram exatamente 27 dias internada no HCPA, tempo que passou rápido, por incrível que pareça, quando internei a previsão era de 30 a 40 dias internada.

A sensação de sair do hospital, de estar na minha casa não existe igual, estava eufórica pra chegar, fazer coisas simples.

Indo pra casa - 23/02/2012
Sair com meu pai, ver a rua ainda em Porto Alegre, entrar no carro, pegar o caminho de casa, saber que logo chegaria, chegar nos fundos da minha casa, entrar, ver minhas coisas que estou acostumada, andar pela casa, fazer uma comidinha com meu tempero, por mais simples, foi tudo SIMPLESMENTE MARAVILHOSO. Estou curtindo cada minuto, continuo com meu crochê, escutei alguns dos meus cds, assisti um DVD da Marisa Monte que fazia tempo que não olhava, recebi amigos e família. Enfim, estou fazendo coisas normais, banho normal, "xixi" normal... rsrrsrsrs

Muitos me perguntam: "Ta, mas e agora, como é?"

Vou tentar explicar um pouco. Sou uma pessoa que no meu tratamento não me apego muito a detalhes, não sei os números que devo ter ao certo de plaquetas, de leucócitos, e outras coisas mais. Gosto de saber que reações posso ter, se as coisas estão dentro do normal, que cuidados devo ter e o que devo fazer para minha recuperação, os detalhes deixo para os médicos, eles entendem melhor que eu, CONFIO neles e então sigo as orientações.

A medula pegou no dia +8, a previsão era lá pelo dia +15, muito rápido. Já tive a DECH, comecei o tratamento no hospital e sigo tratando em casa, o tratamento deve durar em torno de 1mês e meio a 2 meses. Sigo tomando vários remédios em casa (fornecidos pelo SUS, graças a Deus, senão seria uma fortuna), pra evitar rejeição, pra evitar infecção, fungos e o que mais possa dar, e outro para evitar o efeito que algum remédio possa causar... Remédios todinhos organizados devidamente em saquinhos em uma necessaire (estão pensando o que? sou organizadinha... hehehhehe). Alguns pensam: "Nossa tudo isso?" Sim, acabei de fazer um transplante.

Tenho cuidados com a alimentação, principalmente no preparo dos alimentos, o local que fico deve estar sempre bem limpinho, pó nem pensar, aqueles cuidados que acredito já ter mencionado antes, visitas tem que estar sadias, aos poucos, não posso aglomerado de pessoas Me sinto um pouco cansada para fazer as coisas, tenho que respeitar os limites do meu corpo, tudo é novo no meu corpo, sou praticamente um bebê... Que meiga!

Posso sair de casa, claro evitar lugares lotados (óbvio que a rueira aqui já deu voltinhas pela rua), dependendo onde vou tenho que usar máscara, estou de licença do trabalho. A princípio, tenho que ir toda semana no hospital, fazer exames, ver médico, com o tempo e como vou reagindo as idas vão se espaçando.

Esses cuidados se estendem praticamente ao primeiro ano após o transplante (tempo aproximado em que leva para que não exista mais nenhuma célula minha no meu corpo, somente as células doadas, isso tem um nome, mas não sei qual é... rsrsrsr). Conforme o tempo vai passando as liberações vão acontecendo, e pela minha experiência nesses anos de tratamento passa rápido e normalmente minha recuperação é tranquila e mais rápida que a previsão. Quando fiz o transplante autólogo a previsão era que eu só voltasse a trabalhar depois de 6 meses do transplante, mas em 3 meses eu já estava trabalhando, claro que com alguns cuidados, mas ocorreu na metade do tempo previsto.

Bom espero ter esclarecido algumas dúvidas, se não deixei todos mais confusos...

O mais importante de tudo é que estou me sentindo BEM, FELIZ, PACIENTE, CONFIANTE e APROVEITANDO UM DIA DE CADA VEZ.

Beijos

Meu crochê e Dvd sobre minha cama



quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Relembrando...

Hoje estava dando uma pausa no crochê, comecei a fazer coisas no sábado, já fiz um vestidinho pra Mariah (filha da Cíntia), uma boina com uma florzinha pra Leonora (minha colega de quarto), e agora comecei um xale... altas produções.... rsrsrrs Sei que o crochê e a cia da Leo fizeram esses últimos dias voarem, mais a expectativa de voltar pra casa. Por incrível que possa parecer foram dias muito bons.

Pois bem, como disse, estava dando uma pausa no crochê e resolvi olhar umas fotinhos aqui no meu note, nem gosto de fotos né... rsrsrrsr.... Olhei umas fotos mais recentes: do Ano Novo em Capão, ao lado de pessoas queridas (Janja, Diego, Cíntia, Felipe, Patrick, Gabriel e Isabela); as fotos lá no Dudu no Equador, passeio que fiz semanas antes de internar, coisa boa olhar meus sobrinhos (Bruno e Lucas), minha cunhada Mari e meu irmão e também do passeio ao Morro da Borússia com meu amigão Davi um dia antes de internar.

Adorei rever cada foto, lembrar de cada momento e me fez pensar que cada momento desse, cada pessoa com quem passei esses momentos foram essenciais para que minhas energias estivem em ALTA assim que internei, vim para o hospital carregada de COISAS BOAS. E não tinha como ser diferente minha recuperação está sendo a melhor possível.

Claro que houveram outros momentos, outras pessoas que contribuíram para essa recarregada, não posso esquecer as pessoas da minha família que estão comigo dia a dia: Pai, Nina, Leo, Adriana (cunhada) além de primas(os), tias(os), amigas(os), se for citar cada um nossa... 


Foi muito bom aproveitar cada momento, cada coisa simples que me dá alegria. Curtir a família, os amigos, conhecer lugares diferentes, um deles em outro país, outro aqui do ladinho em Osório.

E como não lembrar daquela natureza maravilhosa, do banho de cachoeira, da comida gostosa, das ALTAS Gargalhadas, nos divertimos Horrores né Davi!? Nos carregamos pro que der e vier.

Coisa mais boa CELEBRAR A VIDA! E posso dizer que estou fazendo isso, procurando aproveitar cada momento, cada coisa simples.

Beijos

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

E que venha o ARCO-IRIS

Segunda de Carnaval, a essa hora todos ainda devem estar de ressaca da folia ou aproveitando para descansar, começo a escrever cedinho (agora 8:49), pois depois me empolgo por aqui e acabo não escrevendo. Talvez tenham estranhado meu "sumicinho", afinal escrevi a última vez na sexta, mas dessa vez o motivo não é eu ter ficado ruinzinha como da outra. Desde sábado arrumei uma distração pra mim, logo mais conto.

Pessoal o ARCO-IRIS que tantas vezes falamos aqui está cada vez mais perto, a chuva veio, LIMPOU, ainda existe um "chuvisqueirinho", mas tão leve, só mesmo para continuar a limpar, é aquele momento que a chuva não passou de vez, mas que o ARCO-IRIS já está começando a aparecer. Cada dia que passa me sinto melhor, os médicos quando vem me ver estão sempre muito positivos, contentes com minha recuperação, e só confirmam a previsão de alta, que deve ser nesta quinta ou sexta-feira, questão de dias. 

Então estou muito feliz, sei que esse ARCO-IRIS vai BRILHAR com muita LUZ e CORES e claro como disse minha amiga Paula, a quem chamo carinhosamente Loka, tem o pote de ouro (o tesouro) no fim do ARCO-IRIS, e meu maior TESOURO são minha FAMÍLIA e AMIGOS.

Estou louca para receber visitas em casa, mas aproveito esse momento pra dizer que o transplante, mesmo que o mais difícil já tenha passado, ainda exige muitos cuidados por um bom tempo, o 1º ano é o mais delicado. Então no inicinho quem for me visitar tem que ter consciência que não da pra ir em bando (rsrsrsr), devem ir em torno de 2 pessoas por vez, essas pessoas tem que estar atentas ao seu estado de saúde: sem gripes, viroses, conjuntivite, qualquer tipo de doença que possa ser contagiosa, e também não podem ter tomado vacina nos últimos 15 dias. Pois é pessoal, to cheia de exigências hein... rsrrsrs... mas isso é pra que logo possa estar fazendo "reuniõezinhas", jantas, aquela junção que sabem que adoro com todos juntos. Sei que estão morrendo de saudades dessa pessoa QUERIDA aqui, modéstia a parte: EUZINHA... rsrsrrsrsr... mas vamos matando ela com calma... rsrsrrs

E tenho mais novidades, estou com uma companheira de quarto, ela veio pra esse quarto ontem, já estava no hospital a poucos dias. Assim como eu, ela também fez um transplante alogênio. O nome dela é Leonora, adorei sua companhia, assim como eu ela está fazendo crochê -uma colcha- (lembram que disse no inicío do post que arrumei uma distração pra mim, pois é o crochê). Leonora é gaúcha, mas mora em Maringá/PR, tem 3 filhos, ouvi ela conversando com eles ao telefone e pude perceber que é uma mãe muito amorosa; conversamos bastante ontem, contamos um pouco de nossas histórias, é uma pessoa ótima de conversar, uma grande LUTADORA pelo pouco que pude perceber e adorei a impressão que tive dela, ela parece, assim como eu, uma pessoa que  quer muito CELEBRAR A VIDA e CELEBRA.

Pois bem, pessoal, se eu der uma sumida, é porque estou entretida com minha companheira e com meu crochê, para quem sabe dessa minha paixão, quando começo só tenho vontade de parar quando vejo pronto. Minha querida prima Cíntia Pacheco o vestidinho da Mariah vai sair, finalmente... rsrsrsrrs

Continuem com suas ENERGIAS POSITIVAS, e agora além de mandarem pra mim, pra Jaque (antiga colega de quarto), incluam a Leonora.

Beijos

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

SORTE

Ontem a tarde de uma hora para outra apareceram manchinhas em minha pele, chamei na hora a enfermeira Mari que veio olhar e saiu para tentar contato com o Dr Gustavo, ele estava no andar e em minutos no meu quarto (entendem porque sempre digo que tenho muita SORTE... rsrsrsrs). Ele olhou as manchas e viu que estou com a DECH (Doença do Enxerto contra o Hospedeiro). Ela acontece porque a medula nova, quando começa a funcionar no novo organismo, não o reconhece como sendo próprio (lembra quando seu organismo identifica um microorganismo invasor, uma proteína estranha?) explicação  retirada do Manual de Orientações fornecido pelo HCPA antes mesmo da internação.

Como os médicos e enfermeiras haviam me explicado antes do transplante essa doença tem um lado positivo, pois como ela "ataca" as minhas células, elas atacam as células cancerígenas que ainda podem ter resistido ao tratamento. Também falaram que o melhor é que ela aconteça no primeiro mês após o transplante para que logo seja tratada. Olha a minha SORTE novamente, ela aconteceu após uma semana do transplante, quando eu ainda estou no hospital, não precisando depois de estar em casa voltar para tratá-la.

Ontem o Dr Gustavo disse que esperava que eu tivesse a DECH  logo mesmo, pela quantia de células doadas e pela rapidez que a minha nova medula está "pegando", ele disse que de 10 pacientes 9 tem a DECH. Então nada para eu me preocupar, não sinto nenhuma dor por causa dela, o tratamento é a base de corticoides, ou seja: maior apetite e engordar um pouco, mais isso é o de menos. Comecei ontem o tratamento internada, direto na veio e depois sigo com ele em casa ai com comprimidos, ele deve durar de 1 mês e 1/2 a 2 meses.

E olha a minha SORTE novamente, ontem escrevi aqui sobre a minha previsão de alta e disse que ia depender de eu não ter febre nem a DECH, mas conversei com o Dr e ele disse que como a DECH já deu agora e notei bem no início isso não altera a minha previsão de alta, que conforme ele deve ser logo após o carnaval, ou seja lá pelo fim da semana que vem. Falta pouco para ir para casa.

Obrigada a todos pela torcida e ENERGIAS POSITIVAS sempre.


Beijos

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Notícias Boas

Ontem o Dr Gustavo veio me ver pela manhã como de costume, avisou que minhas plaquetas tinham caído bastante (tudo dentro do normal, elas caem dias após as quimios e transplante) e que então receberia plaquetas. No meio da manhã recebi, quero aproveitar para agradecer a todos que vieram doar sangue e/ou plaquetas para mim, a médica do banco de sangue me disse que 53 pessoas doaram e deram meu nome. Também quero fazer um apelo para que continuem doando, pelo menos de vez em quando, certamente alguém será beneficiado com este gesto. Eu tive facilidade para conseguir doadores, acredito que até pela localização, afinal Gravataí é ao lado de Porto Alegre, mas a maioria dos pacientes do HCPA são do interior ou até mesmo de outros estados, o que dificulta conseguir os doadores.

Então pessoal vamos continuar ajudando.
Plaquetas
Ainda na conversa com o Dr, perguntei se tinha alguma previsão de quanto tempo ainda ficaria aqui. Ele disse que se tudo continuar como está, devo sair em uns 10 dias, pois a medula está se manifestando rapidamente, devido a grande quantidade de células que foram coletadas (Valeu Dudu!!! Isso é que é medula boa... rsrrsrs), e também disse que eu estou reagindo muito bem. Só ficarei mais tempo caso tenha febre ou tenha a doença do enxerto contra o hospedeiro, ou seja das células que recebi rejeitando as minhas, isso é algo que pode acontecer, que não é nada de se apavorar, somente se acorrer tem que ficar um pouco mais no hospital para combater.

Então é isso pessoal, é torcer para tudo continuar como está que logo logo estarei em casa. 

Beijos

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Novo Visual

Estou de novo visual, ontem rapei a cabeça.

Meu cabelo ainda não estava caindo, mas é certo que cairia, e ele estava me atrapalhando aqui, pois como fico cansada devido ao tratamento, na hora do banho me exigia mais tempo, então maior cansaço, e também na hora do curativo do cateter sempre pegava em algum fio.

Resolvi facilitar as coisas, já que ele vai cair antecipei. A Kelly (enfermeira) cortou pra mim,  ela disse que por ela cortava, mas que não sabia, que não era cabeleireira, resolvi arriscar, quando ela chegou com aquela tesourinha de criança vi tudo (rsrsrs), mas vamos lá, vamos ver no que da. Fomos ao banheiro, a ideia inicial era cortar curtinho, quando me vi no espelho disse: "Vão achar que sou uma doidinha que vim parar no lugar errado, que era pra estar no hospício, não no hospital", começamos a rir e disse já que vai cair rapa de uma vez, pena que não tirei uma foto dele curtinho, iam dar boas risadas, como as minhas e da Kelly no momento que olhamos. Foi uma função, os pentes da máquina não se encaixavam, eram de outra q não cortava, mas no fim deu tudo certo... to carequinha, só com uns toquinhos.

Pra mim isso é super tranquilo, já fiquei careca outra vez. Vou contar meio por cima sobre a primeira vez que caiu. Senti um pouco mais, por mais que eu estivesse preparada na hora que você vê que ele ta caindo, porque quando cai cai pra valer, cada vez que passava a mão saiam mechas entre os dedos, é meio dolorido, afinal é uma parte sua, mexe com a vaidade, mas isso durou poucos minutos, no banho. No mesmo dia rapei, porque o cabelo cai por tudo, toda hora. Na hora de rapar foi super tranquilo, enquanto rapávamos conversávamos, brincávamos, riamos, bem diferente da cena da Camila de uma novela que teve... hehehhehe... e depois tudo tranquilo, me gostei careca, procurava me maquiar, usar brincos, lenços, às vezes nada na cabeça, assumi a careca mesmo... hehhehehe

É agora então tranquilidade total, além de ter facilitado minha vida, o cabelo cresce e às vezes em um novo estilo, como no meu caso, que tinha liso e nasceu crespo/ondulado. Como adoro mudar meus cabelos... vamos esperar e ver como nascerá dessa vez... hehehhe... Por enquanto vejam como fiquei, e aqui sem brincos ou acessórios, só lenço.

Beijos

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Coisas Simples

Hoje acordei um pouco chateada, nada físico, passei o fim de semana bem, um pouco cansada, mas normal, sem enjoos ou dores.

Estou um pouco cansada de estar no hospital, apesar de achar que está voando a tempo aqui, afinal já fazem 18 dias que estou internada. Mas sinto falta de coisas tão simples, como tomar um banho sem nada pendurado em mim (cateter conectado a bomba), de fazer xixi no vaso e não precisar contar a quantidade (hehehehe), de passear pelo pátio da minha casa, sentar nos fundos, de sair do quarto e ir até a sala, de receber visitas em casa (que no início devem ser reduzidas, mas é diferente daqui), comer a minha comida ou a comida do meu pai, coisas desse tipo.

São COISAS SIMPLES que normalmente não nos damos conta de seu valor, mas quando ficamos sem elas sentimos muita falta.

Já estou me sentindo bem melhor, logo que me senti com vontade de chorar, e chorei, pois acho que o choro alivia, mandei uma mensagem pra Janja (minha "cumadi" e amigona, sobre quem já escrevi um post: Amigos são aqueles) que logo me ligou e conversamos um bom tempo o que me aliviou muito, também conversei com a enfermeira, agora estou desabafando aqui, acho que já foi a cota suficiente pra me sentir bem aliviada e PREPARADA para mais esses "diazinhos" que faltam e poder ir para casa e APROVEITAR as COISAS SIMPLES do meu dia a dia.

Não se assustem, continuo com a mesma FÉ e FORÇA, só tem dias que são um pouco mais difíceis. Disse no primeiro post que este não era um site para reclamar e sim para CELEBRAR A VIDA, só que teriam dias que talvez usasse para desabafar, em um caso como hoje. E continuo tendo total certeza que tenho todos os motivos para CELEBRAR A VIDA.

Beijos
Em um dia qualquer- sentada nos fundos da minha casa

sábado, 11 de fevereiro de 2012

Dias de Chuva

Fiquei 2 dias sem ligar o computador, hoje ao entrar na net li alguns recados perguntando como eu estava, porque não estava on-line, recebi algumas ligações também de pessoas preocupadas com meu "sumiço".

Pois bem, passei por 2 dias um pouco mais difíceis, mesmo que quisesse deixar vocês a par de como eu estava não tinha condições físicas para isso, na quinta ainda tentei ligar o micro, mas não deu, foi o tempo de ligar e desligar.

Não é falta de vontade, nem falta de força, não de força mental, mas é falta de força física, fiquei muito enjoada esses 2 dias, praticamente sem comer, vomitando, só com vontade de ficar quietinha. Ontem ainda tive um sustinho, minha pressão que é sempre baixa, levantou, tive que ficar monitorando meus batimentos cardíacos que estavam fraquinhos, efeito colateral de um remédio que sou obrigada a tomar, mas já foi solucionado a dose foi reduzida. Mas tudo isso já era previsto, é normal ficar mais ruinzinha alguns dias após o transplante, são reações das quimios que fiz antes. 

Irão ter dias que ficarei mais sumida, mas saibam que é parte do tratamento, já estava preparada, é a época da chuva, chuva forte, que faz com que as vezes a gente fique sem conseguir se comunicar, mas ela está LIMPANDO, e logo logo vem o sol com toda sua LUZ e com aquele lindo ARCO-IRIS.

Então pessoal, nesses dias que eu estiver sumida, mandem muitas ENERGIAS POSITIVAS, e saibam que faz parte do tratamento, não tem como não passar por isso.

Beijos

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Para Jaque com carinho

Só queria fazer uma notinha aqui, acabo de ficar muito FELIZ ao ler o face da Jaque, que estava comigo no quarto até ontem (ontem troquei de quarto, para o quarto ao lado) ela acabou de colocar que está de ALTA, isso é ÓTIMO.

Jaque: continue se cuidando e tenha sempre muita FORÇA e saiba que estarás sempre em minhas orações e estou torcendo por você. Fica com Deus.

Beijos

O Dia +1

A partir de agora a contagem é sempre POSITIVA, estou no primeiro dia pós transplante.

Hoje passei bem, ainda um pouco enjoada, mas já não tive mais aumentos de temperatura. Dormi bem a noite. Ando um pouquinho mais cansadinha, mas normal.

Quero contar a vocês algo que aconteceu ontem a noite ao fazer minhas orações. Fiz meus agradecimentos, meus pedidos e ao abrir "O Evangelho Segundo o Espiritismo" para ler um trecho, abri onde estava marcado com uma fita de Nossa Senhora dos Navegantes que ganhei na segunda-feira, foi marcado "ao acaso" (SERÁ???), quando ganhei a fita pedi que abrisse o evangelho em qualquer parte e deixasse guardada ali. Pois então, a primeira frase que li foi: "Deus não dá prova superior às forças daquele que a pede: só permite as que podem ser cumpridas" (Capítulo XIV), me arrepiei e comecei a sorrir, após ler essa primeira frase que estava no meio da folha, voltei e comecei a ler do topo da página até o fim do capítulo (que já estava acabando).
Selecionei outra parte que achei bem interessante e bem apropriada ao momento que citarei agora: "As provas rudes, ouvi-me bem, são quase sempre indício de um fim de sofrimento e de um aperfeiçoamento do Espírito, quando aceitas com o pensamento em Deus."

Nem irei fazer maiores comentários, acho que as palavras que copiei aqui já falam por si.


Beijos

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

O Dia 0 (Zero) - Dia do Novo Começo

Hoje às 10:35 começou a infusão das "celulas madre", como disse antes não é uma cirurgia, o procedimento aconteceu todo no quarto, me acompanharam o Dudu, a enfermeira Rita e a técnica em enfermagem Ivone, e o Dr Gustavo vinha de vez em quando aqui. Agradeço a todos.

Tudo correu perfeitamente, em 32 minutos 562ml de "celulas madre" já estavam em meu corpo. Fiquei meio sonolenta durante o transplante, pois tomei um remédio que tem esse efeito, meus sinais se mantiveram estáveis durante todo o tempo.


Foi um SUCESSO, as células, conforme o Dr informou antes de começar o procedimento estavam ótimas, conseguiram coletar uma quantidade bem grande, o que é muito bom para mim.

Em torno de 15 dias, conforme o Dr, as células devem "pegar", ou seja produzirem as células do sangue "a todo vapor".

Agora um período que ainda inspira cuidados, mas tudo tende a dar certo.

É isso ai, estou pronta para o linda ARCO-IRIS, hoje começa uma nova contagem: VIDA NOVA, já sabem agora terei 2 aniversários por ano, para quem não sabe AMO comemorar meu aniversário, a partir de hoje serão duas datas pra comemorar o dia 07 de outubro (dia em que nasci pela 1ª vez) e o dia 07 de fevereiro (dia em que nasci pela 3ª vez, sim 3ª, pois a 2ª vez foi quando fiz o transplante autólogo em 18 março de 2010)... Estou quase chegando a quantia de vidas dos gatos... talvez por ser uma Gata... brincadeirinha, não podia perder a piadinha... hehehehehhe

Agora é COMEMORAR e CELEBRAR A VIDA.

Obrigada a todos pelas ENERGIAS POSITIVAS.

Beijos

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Dia -1

Hoje o Dudu fez a coleta das "celulas madre" que receberei amanhã e o Leo fez a doação de plaquetas que precisarei, mas ainda sem data definida, depende das reações do corpo. 

OBRIGADA meus irmãos queridos! Nunca terei palavras para agradecê-los.

Amanhã, às 10h da manhã, será o tão esperado dia, o dia do transplante. Dudu me acompanhará no procedimento, que acontece no quarto mesmo. Não faço nenhuma cirurgia, a doação é feita pelo cateter que já estou desde a semana passada.

Serei breve, hoje estou mais enjoada, comendo menos; a chuva está ficando um pouco mais forte, sinal que começa a LIMPAR... rsrsrsrrs

Então, amanhã às 10h, mandem muitas ENERGIAS POSITIVAS.

Beijos

domingo, 5 de fevereiro de 2012

ARCO-IRIS

Vi essa frase no face da minha amiga e colega de trabalho Gisele (Gi) e pensei: É justamente o que estou passando.


Hoje começa a chuva, um "chuvisqueirinho". Estou mais enjoada, comendo bem menos (almoço e janta então), me sentindo com mais vontade de ficar quietinha, acaba de me dar febre. Tive que tomar um remédio para fazer "xixi", remédio um pouco desagradável, pois toda hora tenho q estar indo ao banheiro, mas tudo bem.

Digo um "chuvisqueirinho" porque a chuva ainda está por vir, mas chuva tem seu lado bom, ela lava, LIMPA. Então que venha a chuva para limpar o meu sangue, para que depois venha o ARCO-IRIS.

Mas não se assustem, nem fiquem com dó de mim, isso tudo faz parte, eu já sabia que a chuva viria. E continuo acreditando que tudo ESTÁ dando CERTO e com muita FÉ. DEUS sabe o que faz, não cabe a nós  mudar a ordem. 

Ah, e se me perguntarem como estou, responderei: "ESTOU BEM!", pois é assim que me sinto.

E estou certa que virá o ARCO-IRIS, um lindo  ARCO-IRIS, bem colorido e cheio de VIDA. E sem a chuva o ARCO-IRIS  não poderia surgir.

Beijos


sábado, 4 de fevereiro de 2012

Dia -3 (menos 3)

Hoje estou no dia -3, o tão esperado dia está cada vez mais próximo.

Hoje confirmei com o Dr Gustavo, minhas quimios vão até amanhã, segunda terei um dia de folga.

Começo a sentir um pouquinho os efeitos da quimio. Sempre como todo o meu almoço, hoje comi a metade empurrando, não estou enjoada não, apenas não tinha vontade de comer, a tarde aquele normal pico de temperatura, sem chegar a dar febre, uma dorzinha de cabeça  que logo passou e um pouco de vontade de ficar quietinha, enfim coisas bem leves.

Tomei um remédio para a dor na cabeça e acabei dormindo um pouco, acabei de acordar e me sinto bem melhor. Já devorei o café da tarde... rsrrsrrsrs

Estou muito feliz com a minha companheira de quarto, apesar de ontem ter chegado um pouco desanimada, como relatei em post anterior, hoje está bem animada, tranquila, percebi que é uma pessoa que brinca com médicos, enfermeiras, adora um filmezinho, uma pessoa muito boa para ter de companhia, mais uma vez repito: tenho sorte com as pessoas que encontro em meu caminho.

Hoje serei breve, vou encerrando por aqui.

Ah, ainda continuo cabeluda, ao contrário do que achei ao tirar a foto no dia -5... rsrsrrsrs

Continuem com as ENERGIAS POSITIVAS, as estamos recebendo.

Beijos

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

FORÇA

Hoje recebi uma companheira, ela ficará comigo no quarto. Jaque, 23anos, fez o transplante em dezembro de 2011 devido à leucemia. Ele está com algumas dores, chegou meio desaminada, conversamos um pouco, contamos um pouco de nossas histórias, agora ela está dormindo.


Ela me perguntou de onde tiro essa FORÇA, perguntou isso logo após eu ter dito que me trato desde 2008, e acho que também por me ver conversando animada com as enfermeiras, rindo. Respondi a ela que essa FORÇA eu não sabia que tinha, descobri junto com a doença, que sempre enfrentei POSITIVAMENTE. Falei também que esta FORÇA eu tenho porque SEMPRE acreditei e SEMPRE tive muita FÉ.

Além das coisas que respondi a ela, acredito que minha força venha também do AMOR da FAMÍLIA, AMIGOS, e também das ENERGIAS POSITIVAS  que tenho recebido de todos.


Ela comentou ainda que fica triste ao vir para o hospital, ao contrário de mim que me sinto tão segura aqui, disse que essa tristeza ela acredita que exista porque algumas pessoas que internaram com ela faleceram. Tentei confortá-la falando um pouco sobre minha visão sobre a morte, sobre o que acredito. Disse que sei o quanto é dolorido perder alguém que gostamos, que nos apegamos, mas que a morte é apenas o fim aqui na Terra, e que se essas pessoas se foram é porque seu lugar não era mais aqui, já cumpriram o seu caminho, sua missão neste lugar, acredito que estão em algum lugar melhor que esse; e que essas coisas fogem a nossa compreensão, mas devemos tentar nos conformar e confortar. Não sei se ajudei, mas na hora senti a necessidade de falar essas coisas.

Não cheguei a falar, mas creio que nós que ficamos ainda temos a nossa MISSÃO a cumprir, e enquanto houver possibilidades devemos LUTAR por essa VIDA, que nos foi dada de PRESENTE para crescermos e continuarmos aprendendo sempre.

Se estou certa não sei dizer, mas isso é o que acredito, é minha humilde opinião.

Peço que as mesmas ENERGIAS POSITIVAS que são transmitidas a mim, sejam transmitidas também a minha nova colega de quarto.

Beijos

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Celulas Madre

Hoje o Dudu me encaminhou um e-mail que ele mandou para os colegas do trabalho dele, gostei muito do que ele escreveu e me emocionei. Irei colocar aqui o e-mail que escreveu, o texto está em espanhol, já que ele trabalha e mora no Equador, até cheguei a pedir que ele traduzisse, mas achou que na tradução perderia, concordo com ele.

Meu irmão, nunca terei palavras para dizer o quanto fico feliz por estar me ajudando dessa maneira, a partir de terça-feira terei uma parte sua em mim, embora já faça parte de mim, assim como o Leo (meu irmão caçula), a Nina (minha irmã) e o pai (Hélio) uqe estão todos em meu coração.

Aí vai o texto, destaquei algumas partes.

Beijos


Estimados socios,
Resolví escribir ese mail, en forma de blog, para comentarles cómo están las cosas por aquí.
Hoy estuve en la cita médica de preparación a la donación a mi hermana de mis células madre o células tronco, en portugués. Mientras escribía percibí que prefiero el nombre en español, células madre, principalmente por lo que estas células significan.
La donación se realizará el día Lunes 6, en la mañana, y debe tomar de dos a tres horas.
Hasta la donación voy tomar diariamente unas inyecciones con la finalidad de provocar la producción de estas células. Al principio serían 5 inyecciones, pero ahora me informo el doctor que serán 14, empezando con dos hoy. La reacción adversa esperada es similar a la de una gripe fuerte, nada comparado con el propósito de la donación. Las reacciones desaparecen inmediatamente después de la donación. Cualquier reacción adversa o cantidad de inyecciones que hubiesen no serían nada y yo estaría dispuesto a enfrentarlas por ella.
 Mi hermana ya está haciendo la quimioterapia y va recibir la donación día 7, martes.
 Buenas, estoy trabajando desde la oficina de Porto Alegre. Los amigos que aquí tengo, mismo después de 10 años fuera, me están dando mucho apoyo y fuerza, la misma fuerza que tengo recibido de ustedes.
 Día 9, jueves, a la una de la tarde, estaré de vuelta a Ecuador y voy directo a la oficina.
 Estamos en contacto.
Abrazos
 Eduardo Pacheco


Dia -5

Vocês devem estar se perguntando o que vem a ser Dia -5 (menos 5). Pois bem, o dia do transplante (07/02) é considerado o dia 0 (zero), dia em que a medula (células da medula do meu irmão) será colocada em meu corpo e aos poucos se dará a sua "pega" e então essa NOVA medula começará a reproduzir corretamente os leucócitos, as plaquetas e as hemácias, o dia em que começa uma nova VIDA. E os dias que antecedem o transplante, dias de condicionamento para eliminar a minha medula, por serem contados como em uma reta são número negativos. É mais ou menos isso ai, acho que deu pra entender um pouco, se ficarem com dúvidas e quiserem saber melhor: "Joga no Google"... hehehehhe

E hoje dia 02/fev/12 é o dia -5.

Agora que já sabem o significado do título, vamos ao dia em si. 

Estou no 3ª dia de quimio, não sei ao certo se serão 6 ou 7, amanhã confirmarei com o Dr Gustavo. Até agora tudo tranquilo, ontem minha temperatura subiu um pouquinho, mas não cheguei a ter febre, ficamos controlando de hora em hora, sem precisar tomar remédios depois de +ou- 3h começou a voltar ao normal, caso tivesse febre iniciaria com antibióticos, mas não foi necessário; estou tendo um pouco mais de sono, a enfermeira disse que provavelmente por causa do remédio para evitar enjoos, mas tudo tranquilo, por um lado tem sido até bom, pois costumo acordar no meio da noite (isso até mesmo em casa) e tenho apagado, quando as enfermeiras entram, entre 5 e 6h da madrugada, pra tirar sangue ou verificar sinais mal abro o olho e claro a tarde tenho tirado uma sonequinha... rsrrsrs... hoje foi mais de 1h e meia. Hoje no banho tive a impressão que meus cabelos caíram um pouquinho mais que o normal, mas não sei ao certo porque no resto do dia não caiu nada, e como já sei por experiência própria, quando começarem a cair começa pra valer, a Dra Monique disse que isso pode ocorrer lá pelo 5º dia de quimio, às vezes pelo 3º, mas tranquilo, já estou preparada, afinal isso já aconteceu antes, não vou me prender a detalhes sobre isso, vou deixar pra falar quando de fato acontecer. 

Bom, como percebem, até o momento estou reagindo muito bem ao tratamento, como disse hoje a enfermeira "Está muito bem pra quem está fazendo quimio". E continuo passando muito bem, ainda com quarto privativo, toda aquela alimentação que já sabem (hoje o Dudu estava aqui na hora do almoço e comentou que estou comendo muito bem, melhor do ele em casa... rsrsrsrs), muitas conversas pela internet, o blog fazendo o maior sucesso, modéstia a parte... rsrrsrsrs.

Pessoal, vou  me despedindo por aqui, minha quimio acabou de chegar, o que não me impediria de continuar escrevendo, pois ela é feita pelo cateter, mas de qualquer maneira vou parando por aqui.
Uma fotinho (nem gosto... rsrsrsr) tirada agora para verem em meu rosto que realmente estou bem, e provavelmente uma das últimas de cabeleira (bem desarrumadinha... rsrrsrs).Sem estresse, só pra registrar... 


Beijos

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

INSPIRAÇÃO

Estava pensando em sobre o que escreveria hoje, contar meu dia aqui? Não nesse momento, quem sabe mais tarde. Estava esperando inspiração, pra não ficar repetitivo

Pois bem, falando agora com a Elisandra, uma grande amiga, eis que surge a INSPIRAÇÃO... 

Sempre que conversamos ela pergunta se estou comendo bem, se estão me alimentando direitinho, se ela pudesse me traria todos os dias uma cesta repleta de COMIDAS. A primeira vez que internei, lá em 2008 para fazer os exames, e a comida era liberada, "nossa!", cada vez que ela chegava vinha com um rancho: bolachas (salgada, doce, o tipo que poderem imaginar), chocolates, balas, salgadinhos, ih, muitas coisas, queria saber se tinha um frigobar pra trazer iogurte, refri, suco.... Essa é minha amiga Elisandra, e como eu ela adora uma boa comida e uma besteirinha, e ela é magra... rsrsrrs.... E quando vamos na casa dela, "nossa!", dormi lá um fim de semana, comi muito, muitas opções para escolher... 
Ela diz que deve ter passado fome em outra encarnação... mas eu me atrevo a dizer que ela faz isso para agradar quem ela gosta, quer ter certeza que as pessoas estão bem. Da outra vez que eu internei para fazer o outro transplante, ai comida controlada, ela queria saber o que eu queria comer antes de vir, eu expliquei que não podia, que aqui era controlado, então ela queria saber o que eu precisava: um chinelo, um pijama, alguma coisa... pois então terão que concordar comigo, ela não faz isso por ter passado fome não, é BONDADE, vontade de AGRADAR e ver BEM quem ela gosta.
Mas que uma comidinha é boa é, né amiga!? rsrsrsrrsrs

Ao longo da conversa, surge outra inspiração:

Ela entra no meu blog, que ainda não conhecia, começa a me dizer que está lindo, que sou calma, que a minha presença acalma ela, que as coisas que estão aqui escritas só podiam vir de mim, que eu sou iluminada, que dou lições as pessoas com o que passo e escrevo, mais ou menos isso. Disse a ela que ficaria convencida.... rsrsrrsrs... Mas não é porque estou convencida que escrevo isso. Escrevo porque algumas pessoas me falam coisas parecidas e na verdade como eu disse a pouco pra Elisandra: "Eu que estou aprendendo com a VIDA", procuro aprender com tudo que acontece a cada dia, tirar forças de cada acontecimento, e tentar entender porque certas coisas acontecem, e também ter a humildade de saber que algumas coisas tem que acontecer e que os motivos fogem a nossa compreensão, mas existem, e que tudo tem um propósito. Talvez uma de minhas missões seja mesmo esta de mostrar pras pessoas que sempre existe um lado POSITIVO, e que se enfrentamos os nossos problemas com LEVEZA eles se tornam mais fáceis e menos doloridos.
Fico feliz se tenho transmitido as pessoas coisas boas. Assim como fico muito feliz ao ler cada comentário, ao ouvir cada palavra de pessoas que me desejam força, pensamentos positivos, orações, enfim... o que existe de bom.

Elisandra, minha amiga amada, você é alguém muito especial, uma pessoa carinhosa, prestativa e que nunca cansa de expressar a AMIZADE e o AMOR que existe entre nós, e saiba sempre que isso é muito ESPECIAL, não é qualquer um que consegue expressar seus sentimentos. 

Amiga, obrigada pela inspiração.

Ps: Na foto, junto a nós, o Teti (marido da Elisandra),  uma pessoa que gosto muito, parceirão.

Beijos a todos